segunda-feira, 27 de junho de 2011

Índice de Maturidade (MI) na avaliação de comunidades de nematoides


O índice de maturidade de nematoides (MI) de Bongers (1990) foi proposto como uma medida da condição do ecossistema do solo. Baseado na estratégia de vida, as famílias de nematoides podem ser divididas em uma escala colonizador-persistente (c-p). A escala vai de um (primeiros colonizadores dos novos recursos) a cinco (persistentes em hábitat sem perturbação). Esses valores refletem a posição percebida do taxa em um espectro baseado na sua taxa de reprodução e características correlacionadas.

Os colonizadores c-p 1 se caracterizam por apresentar curto ciclo de vida, produção de muitos ovos pequenos, presença de estádio de sobrevivência em condições ambientais desfavoráveis e otimização de crescimento populacional em condições de enriquecimento nutricional do substrato. Por outro lado, os persistentes c-p 5 se caracterizam por um longo ciclo de vida, produção de poucos, porém grandes ovos, mobilidade reduzida, ausência de estádio duerlarvae, elevada sensibilidade a poluentes e a outros fatores de distúrbio.

Na prática, MI avalia a variação dos níveis de perturbação a que o solo é submetido, indo de menos de 2,0 em sistemas com alto distúrbio, enriquecidos por nutrientes até valores acima de 4,0 em ambientes ecologicamente estáveis. Práticas agrícolas, como incorporação de material orgânico no solo, estimulam a atividade microbiana e fornecem recursos para espécies de nematoides oportunistas, havendo uma conseqüente redução no MI seguida de aumento gradativo e sucessivo.

Para nematoides que se alimentam em plantas superiores, foi proposto o PPI (índice de parasitas de planta), equivalente ao MI. Esses organismos são omitidos no cálculo do MI, pois sua ocorrência e abundância são basicamente determinadas pela estrutura da comunidade, variando com a posição e vigor das plantas que crescem no solo. Sob certas condições o PPI e MI comportam-se de maneira oposta, sugerindo que um aumento na relação PPI/MI poderia refletir um enriquecimento do ecossistema.  O PPI tende a responder ao enriquecimento ambiental de forma inversa ao MI. Assim, um índice agregado que incluisse os fitófagos no cálculo do MI não poderia refletir claramente uma perturbação ambiental.

A equação geral para calcular esses índices é o índice de maturidade D  (abaixo) onde c-p é o valor de cada família na escala colonizador-persistente (Tabela abaixo) e p é a proporção de indivíduos no taxon considerado. As famílias marcadas com (*) na tabela devem ser consideradas tanto no cálculo do MI quanto do PPI.

Família
valor c-p
Família
valor c-p
Alaimidae
4
Monhysteridae
2
Aphelenchidae
2
Mononchidae
4
Aphelenchoididae
2
Nordiidae
4
Anguinidae
2*
Panagrolaimidae
1
Aporcelaimidae
5
Paratylenchidae
2*
Bastianiidae
3
Plectidae
2
Belondiridae
5
Pratylenchidae
3*
Bunonematidae
1
Psilenchidae
2
Cephalobidae
2
Prismatolaimidae
3
Chromadoridae
3
Qudsianematidae
4
Criconematidae
3*
Rhabditidae
1
Diphtherophoridae
3
Teratocephalidae
3
Diplogasteridae
1
Thornenematidae
5
Dolichodoridae
3*
Tobrilidae
3
Hemicycliophoridae
3*
Trichodoridae
4*
Hoplolaimidae
3*
Tripylidae
3
Leptonchidae
4
Tylenchidae
2*
Longidoridae
5*



* Valores de famílias que devem estar incluídas tanto no PPI quanto no MI.

Para maiores informações, consulte:
  •  Bongers, T. 1990. The maturity index: an ecological measure of environmental disturbance based on nematode species composition. Oceologia. 83:14-19.
  •  Bongers, T., Ferris, H. 1999. Nematode community structure as a bioindicator in environmental monitoring. Trends in Ecology and Evolution. 4:224-228.

Nenhum comentário:

Postar um comentário