sábado, 10 de março de 2012

Nematoide das lesões radiculares - Pratylenchus spp.

De Man descreveu, em 1980, um nematoide deste grupo, encontrado em um prado na Inglaterra. Esta espécie foi denominada Tylenchus pratensis, sendo somente muitos anos mais tarde transferida para o atual gênero. A primeira espécie a ser conhecida da ciência foi a de De Man, ou seja, Pratylenchus pratensis.

Ciclo de vida e parasitismo

Os nematoides das lesões radiculares, como são chamados, são endoparasitas migradores, ou seja, penetram e necrosam a região do córtex da raiz, preferencialmente as radicelas. Quando não encontram mais células vivas do córtex, eles migram para outra raiz.

As fêmeas de Pratylenchus depositam seus ovos dentro dos tecidos ou no solo, durante seu caminhamento no córtex da raiz. Nas espécies em que existe abundância de machos, estes atuam na reprodução. Noutras espécies, provavelmente ocorre partenogênese, visto que os machos são extremamente raros ou mesmo não existem.

Depois de penetrarem na raiz, os nematoides nutrem-se das células e causam lesões, a princípio pequenas, mas que aumentam gradualmente. As aberturas nas raízes causadas por eles são foco de entrada de fungos e bactérias patogênicos.


Ciclo de vida de Pratyenchus sp. Fonte: AGRIOS (2005)

Sintomatologia e hospedeiros

Frequentemente causa ferimentos nas raízes através dos quais outros organismos patogênicos, como bactérias e fungos, penetram. A interação desses agentes resulta na formação de lesões que finalmente destroem os tecidos radiculares. As plantas tornam-se pequenas, com ramos finos, devido à completa destruição das raízes e radicelas. A parte aérea de plantas afetadas pode apresentar clorose ou murchamento durante a estação seca. A desfolha total pode ocorrer quando o ataque é severo.

A ação do nematoide pode ser percebida ao se comparar a raiz de uma planta atingida com outra saudável. A doente fica escura e mais curta, enquanto a sadia é mais clara e longa.

Suas espécies são polífagas, parasitando uma ampla gama de hospedeiros, principalmente gramíneas (arroz, trigo, cana-de-açúcar, milho e forrageiras), algodão, soja, café, citros, fumo, batata, algumas olerícolas, ornamentais, essências florestais e sobrevive em diversas plantas daninhas.

Para maiores informações, consulte:

  • Agrios, G.N. (2005). Plant diseases caused by nematodes. In: Agrios, G. N. Plant pathology.
  • Costa Manso, E.S.B.G.; Tenente, R.C.V.; Ferraz, L.C.C.B.; Oliveira, R.S. & Mesquita, R.(1994). Catálogo de nematoides fitoparasitos encontrados associados a diferentes tipos de plantas no Brasil. Embrapa/Cenargen, Brasília, 488 p.
  • Ferraz, C.C.B., Monteiro, A.R. Nematoides. In: Bergamin Filho, A. Kimati, H., Amorin, L. (1995) Manual de fitopatologia: princípios e conceitos. Ed. Agronomia Ceres.

2 comentários:

  1. desenvolver controles alternativos com plantas que pór algum motivo fisiologico da propria planta enterompem a reprodução ou até a propagação desse parasita como o cravo de difunto não seria alvo de alguns estudos mais aprofundados ????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já existem diversos estudos que avaliam o efeito de extratos vegetais sobre o desenvolvimento de fisiologia de diversos gêneros de fitonematoides. É uma alternativa muito interessante e, realmente, necessita de estudos mais aprofundados. No caso do nematoide de lesões, seriam uma alternativa bastante adequada tendo em vista as grandes dificuldades em se utilizar plantas em rotação (já que é um nematoide polífago).

      Excluir