terça-feira, 30 de agosto de 2011

Nematoide reniforme - Rotylenchulus reniformis



O nematoide reniforme (Rotylenchulus  reniformis Linford & Oliveira 1940)  é um importante patógeno radicular de diversos cultivos de interesse econômico em regiões tropicais e subtropicais, sendo relatado associado às culturas de melão, maracujá, tomate, soja e algodão, no Brasil. Durante muito  tempo, R. reniformis foi considerado um nematoide de importância  secundária,  mesmo  sendo  detectado  com  relativa  freqüência  em amostras  de solo. Isto se deve, provavelmente, à ausência de sintomas característicos  nas  plantas  parasitadas,  diferentemente  do  que  ocorre  com  os nematoides das galhas (Meloidogyne sp.), de ocorrência mais comum no Brasil. 

O estádio infectivo são as fêmeas jovens e R. reniformis é um semi-endoparasita sedentário típico que, após a penetração nas raízes do hospedeiro, inicia o parasitismo de células  diferenciadas  da  endoderme  (sincício),  permanecendo  com  mais  de  dois terços  da  parte  posterior  do  corpo  para  o  exterior,  adquirindo, assim, o comportamento sedentário.  Com  a  evolução  do  parasitismo  e  a maturação  dos órgãos reprodutivos, a fêmea aumenta de volume, adquirindo o formato de um rim, característica que origina a denominação "reniforme".

Embora tenha capacidade de parasitar uma ampla gama de hospedeiros, o nematoide reniforme é especialmente  importante para as culturas de soja e algodoeiro, nas quais pode causar sérias perdas.  Em algodoais, sua distribuição no campo normalmente é mais uniforme que a de Meloidogyne sp. Plantas  parasitadas  por  R.  reniformis  apresentam  sintomas  reflexos  de subdesenvolvimento e aspecto irregular de desenvolvimento da lavoura. De maneira geral, as plantas mantêm a coloração normal e os sintomas podem ser confundidos com problemas de compactação de solo, encharcamento, ou deficiência nutricional. As raízes, embora subdesenvolvidas, não mostram sintomas claros e apenas  em  laboratório  é  possível,  com  clareza,  se observar  as  fêmeas  nas  raízes.

As plantas de algodoeiro, quando infestadas pelo nematoide reniforme, são menores e apresentam as folhas medianas com clorose internerval, podendo evoluir para necrose internerval. O sintoma foliar é semelhante ao causado por Meloidogyne sp., e também é conhecido como “folha carijó”. As raízes das plantas infestadas por R. reniformis são pouco desenvolvidas, com reduzido número de raízes secundárias, e podem apresentar solo aderente.  

Opções para a rotação de culturas são: arroz (Oryza sativa), milho (Zea mays), sorgo (Sorghum bicolor), milheto (Pennisetum glaucum), cana-de-açúcar (Saccharum spp.), trigo (Triticum aestivum), capim Rodes (Chloris gayana), feijão-mungo (Phaseoulus aureus), mostarda (Brassica nigra), amendoim (Arachis hypogeae) e algumas espécies de crotalárias (Crotalaria breviflora, C. lanceolata e C. mucronata). A destruição dos restos culturas do algodoeiro seguido do plantio de uma cobertura vegetal como o milheto é muito recomendável, pois diminui a população do nematoide reniforme, evita sua reprodução em ervas daninhas e impede sua disseminação pelo vento ou por enxurradas. Por outro lado, algumas plantas devem ser evitadas, como soja e fumo, por serem boas hospedeiras do nematoide reniforme.

Para mais informações, consulte: 
  • Costa Manso, E.S.B.G.; Tenente, R.C.V.; Ferraz, L.C.C.B.; Oliveira, R.S., Mesquita, R.1994. Catálogo de nematóides fitoparasitos encontrados associados a diferentes tipos de plantas no Brasil. EMBRAPA/CENARGEN, 488p.
  • Asmus, G. L. 2008. Ocorrência e manejo do nematóide reniforme em Mato Grosso do Sul. EMBRAPA Agropecuária Oeste, 3p.

Fotos:  
  • Edward G. McGawley (NemaPix, 1997)
  • Guilherme L. Asmus (Embrapa Agropecuária Oeste, 2008) 

5 comentários:

  1. Olá, parabéns pelo blog, é muito bom!eu estou cursando ciências biológicas e o tema do meu TCC é justamente a morfologia comparativa dos diversos níveis tróficos de nematóides analisando o seu trato digestivo.
    Vc poderia me indicar bons livros sobre esse tema?
    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho alguns materiais que posso te repassar. Me mande um e-mail (giovaniarieira@yahoo.com.br) que eu posso te enviar o que tenho e indicar mais alguns. Abraço

      Excluir
  2. Josciney Viana de Faria22 de março de 2012 23:09

    oLá Giovani, gostei de sua materia, no poderá me ajudar, trabalgo com um grupo de agricultores reassentados. No entanto, nas plantações de citros existes alguns sintomas de nematoide, portanto gosaria que vc me enviasse algum estudo sobre o assunto. josciney.faria@bol.com.br

    ResponderExcluir
  3. Giovani -
    ótimo blog :)
    Espero que ele ainda esteja ativo, pois vejo comentários apenas de 2012 :(

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, seu blog é muito bom para estudar sobre esses patógenos tão importantes na agricultura.

    ResponderExcluir